Tudo o que você precisa saber sobre as hastes de aterramento para o SPDA externo

O sistema externo de aterramento do SPDA, para que seja eficiente, é imprescindível que seja utilizado os materiais adequados. A execução de um aterramento em conformidade com as normas da ABNT é simples, mas exige alguns cuidados especiais e qualquer falha nas conexões pode pôr em risco a integridade do sistema.

É bastante comum encontrar no mercado materiais fora das normas, principalmente hastes de baixa camada, totalmente irregulares e desproporcionais às especificações contidas na NBR5419/2015 e NBR13571. Na NBR13571, há a indicação explícita que as hastes de aterramento de aço-cobreadas devem ser fabricadas com materiais de primeira qualidade, que suportem as condições elétricas, mecânicas e químicas a que são submetidas quando instaladas (Referência NBR13571 4.1.1).

Para facilitar a correta identificação (alta camada), basta observar as seguintes marcações:

Os termos que são “legíveis e indeléveis”, indicam que os produtos sem as marcações não são autorizados para utilização. Além disso, a NBR5419/2015 parte 1 – item 2, relaciona a NBR13571 indispensável na aplicação do SPDA.

Infelizmente algumas indústrias insistem em comercializar produtos não normalizados, fato inexplicável, uma vez que compromete todo um sistema que é projetado para garantir segurança. Deixamos um alerta para aqueles que utilizam estes materiais que não atendem as normas vigentes, além de não oferecer a proteção mínima necessária, também é considerado um crime contra o consumidor.

Os engenheiros, projetistas e instaladores especializados em SPDA, sabem da importância de se utilizar materiais em conformidade. No caso da haste, a referência é a de alta camada que possui 254µ de cobertura de cobre. A questão é que ainda existe uma classe que não demonstra nenhum conhecimento da norma e costumam realizar instalações sem embasamento técnico, substituindo itens do projeto por outros diferenciados, mal sabendo que as chances de problemas e prejuízos, são enormes.

Riscos de se utilizar haste de baixa camada:

-Para clientes – Substituição da haste de baixa camada em um curto espaço de tempo (aproximadamente 1 ano ou até menos, dependendo da situação do solo);

-Para instaladores – Revisões, reclamações, ações judiciais em função do risco da instalação não estar em conformidade com as normas vigentes;

-Para revendas – Ações judiciais por comercializar produtos que não atendam as normas da ABNT, conforme é exigido pelo código de defesa do consumidor:

SEÇÃO IV: Das Práticas abusivas

“Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços dentre outras práticas abusivas:

XIII ­ colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro);”

Não generalizando, há uma boa porcentagem de instalações que estão utilizando baixa camada, um material com uma camada de cobre muito fina, podendo se quebrar facilmente no momento em que se faz sua colocação no solo. No pequeno prazo, o aço, em contato direto com a umidade, enferrujará rapidamente, comprometendo todo o sistema. Este pseudo material, não oferece nenhuma segurança e apresenta apenas o brilho revestido do componente.

Nos enquadramos na seleção de empresas que têm trabalhado para extinguir irregularidades no meio técnico, seja na atualização de desinformados ou até mesmo de alguns informados, que buscam apenas o preço baixo, desprezando a segurança e proteção.

Entendemos que por ser um material condicionante à segurança de vidas humanas, animais e patrimônio, as hastes de aterramento que não atendem às normas vigentes não deveriam participar das praças comerciais.

Um dos nossos grandes triunfos é que conosco, não tem meio termo, se não tem conformidade, nós não recomendamos.

Compartilhe esta ideia você também.

23 Comentarios em “Tudo o que você precisa saber sobre as hastes de aterramento para o SPDA externo

  1. geraldo Barros says:

    Vocês vender ou fabricam essas hastes? É possível comprá-las aqui em Maceió-Alagoas? Seriam de 5/8 2,40 m não prolongáveis.
    Não encontrei boas hastes nas lojas daqui.

    • Nikolas Lemos says:

      Geraldo,

      A NBR 5410, que rege instalações elétricas de baixa tensão (instalações residenciais), exige em sua tabela 51, que as hastes de aço cobreado, utilizadas no aterramento, possuam uma camada mínima de 254 µm de cobre, ou seja, hastes de alta camada.

    • Nikolas Lemos says:

      Mario,

      As hastes devem ser produzidas com aço SAE 1010/1020, conforme NBR 13571.

      A princípio o que mudaria é apenas a dureza do aço, podendo ter impactos durante instalação da mesma. Somente devem ser utilizadas hastes de aterramento que atendam a NBR 13571, que sejam fabricadas com aço SAE 1010/1020 e com uma camada de cobre de 254 µm.

    • Nikolas Lemos says:

      Vanilson,

      A norma NBR 5419 não faz nenhuma menção a utilização de lâmpadas de sinalização no SPDA, portanto o fato do seu SPDA não utilizar não significa que ele está fora de norma.

      O que existem são algumas portarias da ANAC que indicam a utilização desses sinalizadores noturnos, especialmente nas proximidades de aeroportos.

      Particularmente eu recomendo a sua utilização, pois não onera no seu custo final e é uma garantia de segurança para acidentes envolvendo aeronaves e SPDA.

  2. Francisco Assis de Sousa Júnior says:

    A única parte que é padrão é a espessura mínima do revestimento (0,254 mm) ou o diâmetro de 5/8″ também é padrão?

    • Nikolas Lemos says:

      Sr. Francisco,

      A tabela 7 da norma NBR 5419-3:2015 estabelece as configurações mínimas para os materiais utilizados no aterramento do SPDA. Para hastes em aço cobreado o mínimo valor de diâmetro é de 12,7 mm com espessura mínima do revestimento de 0,254 µm.

      Outras normas estabelecem valores diferentes, como por exemplo a NBR 5410:2004, onde o diâmetro mínimo exigido para uma haste de aço cobreado é de 15 mm com espessura mínima do revestimento de 0,254 µm.

      A haste de 5/8″ (TEL-5814) é o padrão de mercado, normalmente a haste mais utilizada em aterramento, devido a sua versatilidade e durabilidade. Hastes de 1/2″, embora seja permitidas, normalmente danificam-se durante a instalação em terrenos rochosos.

        • Nikolas Lemos says:

          Igor,

          Não teria nenhum problema em utilizar a barra roscada de aço galvanizado, desde que:

          – O Diâmetro mínimo da barra seja 16 mm (deve-se levar em consideração o menor diâmetro da rosca, ou seja, na raiz. Portanto o correto seria o uso de uma barra roscada com no mínimo roscas M18 ou 3/4″)

          – A galvanização a fogo de sua barra deve ser feita após o processo de fabricação das roscas.

  3. Pingback: No aterramento, posso usar qualquer tipo de Haste? Qual é a melhor para o meu projeto? - Termotécnica Para-raios

  4. jakson says:

    quais os efeitos prejudiciais pode ser causado por um aterramento de haste fraudado, onde a concessionaria em vez de por 2,40cm de haste de aterramento pois, 10cm!

    • Nikolas Lemos says:

      O grande impacto de um aterramento subdimensionado é o aumento da tensão de passo, que oferece grande risco aqueles que estarão no local durante uma descarga atmosférica. Outro impacto é uma maior dificuldade da penetração da corrente do raio no solo.

      As hastes não são itens obrigatórios no aterramento do SPDA, porém seu uso facilita a sua instalação e em alguns casos é a única solução.

      O uso das hastes de aterramento é uma ótima alternativa quando apenas a malha de aterramento com o cabo não será suficiente para atender ao comprimento mínimo do aterramento previsto em projeto.

  5. Fabiano Moreira says:

    Bom dia pessoal….gostaria de saber se tem alguma normatização quanto a necessidade de trocar as hastes de aterramento em prazos de 4 a 5 anos?

    • Termotécnica Para-raios says:

      Prezado Fabiano, agradecemos a sua participação em nosso espaço.
      De acordo com a norma técnica ABNT NBR 5419/2015, as hastes de aterramento não são elementos obrigatórios e sim complementares. Em relação a troca, são necessárias quando em inspeções detectar a oxidação ou algum comprometimento físico/elétrico das hastes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.