Melhores práticas nas inspeções do SPDA

A inspeção de um SPDA está para a proteção contra descargas atmosféricas, assim como a manutenção preventiva automotiva está para a sua segurança e dos seus familiares. Se você não fizer as manutenções preventivas no seu veículo, você corre o risco de ficar na mão e uma viagem de férias pode se transformar numa frustração ou pior que isso.

Do mesmo modo, se seu SPDA não tiver as vistorias ou manutenções preventivas, caso a edificação seja atingida por um raio ou este caísse nas proximidades, as consequências poderiam ser indesejáveis, tais como choque elétrico, queima de equipamentos ou fogo dentro da edificação. Todas essas variáveis são consideradas no início do desenvolvimento de um projeto através do gerenciamento de risco (parte 2 da norma) e deverão ser constatadas durante as inspeções periódicas prescritas na norma.

DICA: Tudo vai depender se o raio caiu diretamente na edificação (S1), nas proximidades desta (S2), diretamente nos serviços de concessão (S3) ou próximo deles (S4). As descargas S1 e S3 são as mais perigosas, pois podem provocar choque elétrico, queima dos equipamentos ou incêndio, já as descargas S2 e S4 se limitam a queima de equipamentos e suas informações, entretanto, podem haver situações em que esta perda seja inaceitável e, portanto, dependendo da edificação, se tornam tão preocupantes quanto às descargas S1 e S3.

O item 7, da NBR5419/2015 parte 3, estabelece as condições para inspeção, manutenção e documentação de um SPDA. De acordo com esta norma, existem basicamente 2 tipos de inspeção:

1. Inspeção visual semestral

Consiste basicamente em checar visualmente o projeto, analisar se está de acordo com a norma vigente, e verificar “in loco” se a instalação está de acordo com o projeto. Este tipo de inspeção deverá ser feito em todas edificações, independente do nível de proteção, e deverá ser emitido um relatório técnico, apontando as não conformidades de acordo com os seguintes itens a serem analisados:

  • Documentações, tais como gerenciamento de risco, projeto detalhado e características da qualidade do solo (em casos específicos).
  • Se as fixações dos condutores estão firmes e espaçadas a cada 1m na horizontal e 1,5m na vertical.
  • Se os condutores estão em bom estado de conservação sem formação de pilha galvânica ou ferrugem.
  • Se os cabos usados na captação, descidas e aterramento são normatizados (NBR5419 e NBR6524).
  • Se existem conexões mecânicas enterradas e enferrujadas.
  • Se as distâncias de segurança estão sendo obedecidas.
  • Se o subsistema de captação está corretamente posicionado e dimensionado, o mesmo vale para as descidas, aterramento e equipotencialização.

2. Inspeção completa

Esta inspeção deverá incluir a inspeção visual mencionada no item 1 e eventuais ensaios de continuidade elétrica nas seguintes condições:

SPDA natural

  • Testes de continuidade elétrica conforme prescrito na norma, das descidas e eletrodo de aterramento (teste inicial e teste final);
  • Equipotencializações;

SPDA não natural (Convencional)

  • No caso de descidas embutidas no reboco da fachada ou debaixo de fachada aerada;
  • Aterramentos existentes;
  • Equipotencializações;

NOTA: Para este ensaio não pode ser usado terrômetro ou alicate terrômetro, deverá ser usado miliohmímetro ou microhmímetro que gere pelo menos 1 ampere em corrente contínua.

As inspeções completas devem ser realizadas anualmente em edificações com produtos perigosos (explosivos, inflamáveis, produtos tóxicos, radioativos, ambientes industriais ou de orla marítima) ou outros tipos de produtos que possam colocar em risco vidas humanas dentro da indústria ou comunidades próximas. E a cada 3 anos nas demais edificações que não possuam os riscos acima mencionados, como por exemplo casas e edificações residenciais.

O que deve constar no Relatório de Inspeção do SPDA?

O resultado do serviço de inspeção deverá ser um relatório técnico que descreve o tipo de inspeção realizada e os respectivos ensaios, caso tenham sido necessários. Além disto, este documento também deverá apontar se a instalação está atendendo a última versão da norma. Caso a edificação esteja fora de norma, o relatório deverá RECOMENDAR a realização de um projeto de adequação do SPDA, cabendo ao cliente a decisão de adequar ou não.

DICA: Neste caso, o projeto de adequação poderá contemplar os testes de continuidade elétrica da estrutura de concreto armado para tentar realizar um sistema natural, que é muito mais acessível.

O papel do engenheiro é fazer com que o cliente tenha ciência do risco que corre, com relação a eventuais perícias, fiscalização do Ministério do Trabalho, seguradoras, certificações e principalmente com a própria segurança da edificação. Para saber mais sobre a importância das inspeções e como praticá-las, participe dos nossos cursos de SPDA+MPS. A inspeção e manutenção de todo o sistema é parte intrínseca para o funcionamento da proteção contra descargas atmosféricas.

Eng. Normando Alves
Diretor de engenharia da Termotécnica para-raios
Membro da comissão que revisa a NBR5419.

 

Um Comentário em “Melhores práticas nas inspeções do SPDA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.