Por que é importante evitar a corrente de fuga causada por varistores na instalação?

TRANSCRIÇÃO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS

No podcast de hoje, falaremos sobre um efeito muito comum em dispositivos de proteção contra surtos que possuem tecnologia de varistores: a corrente de fuga. Eu sou Nikolas Lemos e seja muito bem-vindo.

Protetores construídos a partir de uma pasta de óxido de zinco, os chamados varistores, são os mais comuns e populares no mercado. Seu funcionamento é bem simples: ao detectar um aumento na tensão da rede, os grãos de óxido de zinco vão se alinhando até fechar o circuito com a terra, desviando o surto por esse caminho. Quando a tensão volta às condições normais, os grãos voltam a ficar desalinhados e abrem o circuito elétrico. Dentre suas inúmeras qualidades, a principal é ter uma boa capacidade em desviar surtos elétricos ao mesmo tempo em que evita grandes diferenças de potencial nos terminais do equipamento. Sendo assim, a tecnologia dos varistores, normalmente, é aplicada em protetores do Tipo II, embora alguns fabricantes também os utilizem em protetores do Tipo I.

Um grande problema que os afeta é sua rápida degradação após atuarem várias vezes. Quando comparados a outros métodos construtivos, como centelhadores ou diodos tranzorb, os varistores possuem uma vida útil extremamente baixa. A maioria dos modelos comerciais disponíveis, de acordo com normas, como a IEC 61643, são construídos para suportar apenas 2 vezes o seu valor máximo de corrente e até 20 vezes o seu valor de corrente nominal. Essas quantidades podem significar apenas alguns meses ou vários anos, dependendo do número de descargas atmosféricas que poderão ocorrer nas proximidades ou diretamente nas instalações daquela edificação.

Quando vão se aproximando do seu limite máximo de vida útil, ou seja, já estão com uma taxa de degradação elevada, os grãos de óxido de zinco começam a perder a capacidade de se embaralhar, mantendo uma parte do seu circuito interno fechado. Esta parte que não foi embaralhada, fornece um caminho favorável por onde poderão ser escoados pequenos valores de corrente. Estes são insuficientes para causar a desconexão do dispositivo via fusível de backup instalado e, invisíveis na janela de inspeção do estado operacional. Isto acontece porque o alerta sobre falha somente ocorrerá quando o dispositivo térmico em seu interior proporcionar a desconexão do circuito. Essa corrente que escapa por meio do DPS até a atuação do elemento térmico não causa danos na instalação elétrica, porém aumenta o consumo de energia, já que vai atuar como uma carga constante do sistema. Para instalações com muitos varistores instalados, esse consumo pode representar um aumento significativo na conta de energia.

A melhor maneira de evitar esse problema é optar por varistores de alta tecnologia, como o DEHNguard ACI. Ele é um protetor que já possui um sistema interno que detecta quando a degradação do dispositivo está prestes a causar correntes de fuga, fazendo a imediata desconexão e sinalizando a necessidade de substituição. É a DEHN sempre inovando e trazendo soluções de ponta para o mercado mundial, especialmente para proteção contra surtos elétricos!

Continue ligado em nosso canal TELCast para ouvir outras dicas como essa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.