Como as mudanças climáticas podem afetar a PDA?

TRANSCRIÇÃO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS

As mudanças climáticas se agravam a cada dia,  mas como elas afetam a proteção contra descargas atmosféricas-PDA? Esse é o assunto do PodCast de hoje, eu sou Nikolas Lemos e seja muito bem-vindo.

Nos últimos anos, três fatos curiosos e historicamente marcantes envolvendo os raios aconteceram no Brasil e no mundo. O primeiro deles ocorreu no dia 31 de Outubro de 2018, quando foi registrado o maior raio da história, com 709km de extensão, cortando os estados do sul do Brasil. O segundo ocorreu na Argentina, no dia 4 de março de 2019, em que foi registrado o raio com a maior duração da história, com incríveis 16,73 segundos de duração. O terceiro fato ocorreu também no Brasil, em fevereiro de 2019, em que foi possível registrar a maior corrente de raio da história, com 249 kA.

Todos esses acontecimentos foram associados às mudanças climáticas, embora não exista um consenso entre os especialistas de que realmente seja essa a principal causa. É provável que raios com essas intensidades, tamanhos e durações sempre tenham existido, porém não haviam equipamentos e tecnologia suficientes para fazer a documentação e registro dos mesmos.

Isso também não quer dizer que as mudanças climáticas não estejam ocorrendo ou que não tenham nada a ver com essa história. Nos últimos anos, temos notado um aumento na quantidade e intensidade das tempestades, especialmente as tropicais, que são recheadas de raios. Mas será que a norma de PDA está preparada para essas mudanças?

Para a maioria delas, sim! Antes de explicar o porque, primeiro é preciso entender alguns conceitos básicos da norma, que inclusive já falamos com mais detalhes no episódio 24 do nosso TelCast.

A intensidade máxima de corrente esperada pela IEC e NBR5419 é de 200 kA e, para o raio de 249 kA citado, o SPDA e as MPS, a princípio, poderiam não ser suficientes. Entretanto, é preciso entender que um raio com intensidades nesse patamar é um evento muito raro até o presente momento, já que na média, a maioria dos raios registrados possuem intensidades próximas a 35 kA. Se, porventura, um raio desse patamar atingir uma instalação, os maiores danos serão provavelmente percebidos pelos equipamentos protegidos por MPS.

Já para as estruturas das edificações, no dimensionamento do SPDA já são considerados alguns coeficientes de segurança pelos comitês das normas e muito provavelmente, teríamos apenas alguns danos físicos a captores e condutores do sistema.

Até mesmo nos equipamentos protegidos por MPS, os danos seriam reduzidos, uma vez que em instalações convencionais existem muitos condutores de energia e sinal, que acabam atuando como divisores da corrente do raio e normalmente atenuam a intensidade que chega aos protetores e equipamentos.

De fato, se persistir o aparecimento de raios com maiores correntes ou seus valores médios aumentarem, é bem provável que os comitês reajustem os níveis de proteção ou criem um novo, superior ao nível I. Ainda assim, seria pouco provável que ocorresse uma drástica mudança relacionada aos componentes do sistema, já que os atuais se mostram confiáveis e duradouros.

Como a tendência é que exista um aumento no número de descargas atmosféricas, provavelmente será preciso mais PDA, especialmente, porque esse é um dos parâmetros do Gerenciamento de Risco. Como consequência, teríamos um aumento no número de inspeções e troca de DPSs que possuem vida útil limitada, como os varistores.

Por isso, é preciso que todos os materiais do sistema estejam em acordo com a NBR 5419 e, especialmente os DPS, sejam construídos com a mais alta tecnologia, já que eles garantirão o pleno funcionamento de equipamentos e instalações.

Nesse sentido, a empresa alemã DEHN é referência mundial, com protetores de longa vida útil, baixa tensão residual e adaptados para as novas fontes de energia renováveis. No site da Termotécnica Para-raios você encontra o catálogo da DEHN com a mais completa linha de DPS do mundo!

Não perca nenhum episódio do nosso TelCast! Toda semana um novo conteúdo relacionado ao SPDA e às MPS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.