Dúvidas Frequentes

Esta página de perguntas e respostas mais frequentes foi desenvolvida a partir de uma triagem das milhares de dúvidas que nosso departamento de engenharia atende durante o ano. Dividimos em 3 níveis de conhecimento: básico (para leigos); intermediário (para quem está iniciando no assunto) e avançado (para quem já trabalha na área mas tem duvidas sobre a norma). Caso sua dúvida não seja sanada, envie-nos um e-mail (clique aqui) que teremos o maior prazer em ajudá-lo.

Nível: básico

Curiosidades sobre raios e proteção

O que é o raio?

O raio é um fenômeno da natureza, aleatório e imprevisível. É como se fosse um curto circuíto entre a nuvem e a terra. Existem raios entre nuvens e intra nuvem, porém somente os raios entre nuvem / terra nos interessam, pois são esses que podem causar danos materiais ou matar pessoas.

O que é um para-raios ?

Um para-raios é um SPDA – sistema de proteção contra descargas atmosféricas que tem como objetivo encaminhar a energia do raio, desde o ponto que ele atinge a edificação até o aterramento, o mais rápido e mais seguro possível. Ao contrário do que o nome dele sugere, o SPDA não pára o raio, não atrai raios e nem evita que o raio caia.

O que um SPDA protege?

Um SPDA Externo protege o patrimônio (edificação) e as pessoas que estão dentro da edificação que é protegida. O SPDA Interno, composto por dispositivos de proteção contra surtos (DPS) e diversos elementos de equipotencialização, protege os equipamentos e sistemas elétricos existentes.

O raio sobe ou desce ?

Existem os 2 tipos, os ascendentes e os descendentes. Algumas regiões têm mais propensão para um tipo ou outro, isso depende de diversos fatores naturais como: temperatura, pressão, vento, etc.

O SPDA protege equipamentos eletroeletrônicos ?

O SPDA Interno tem como finalidade proteger os equipamentos, pois quando estes são ligados na rede elétrica ou telefônica, trazem energia indesejada da rede de fios externos para dentro da edificação.

Qual o alcance da proteção de um SPDA ?

De modo geral os SPDA’s são dimensionados para proteger edificações de forma individual e a proteção fica restrita à edificação em questão. Não existem SPDA’s com grandes áreas de proteção. Assim, a proteção de áreas descobertas torna-se economicamente inviável. Na norma NBR5419 existem tabelas definindo as proteções em função da classe de proteção.

Árvores atraem raios ?

Árvores não atraem raios. Apenas por serem a estrutura mais alta nas redondezas de onde o raio decidiu cair, torna-se o ponto com mais probabilidade de ser atingido, encurtando assim a distância entre a nuvem e o solo.

O para-raio (SPDA) atrai o raio ?

Não. Se o SPDA atraísse o raio, não seria nada sensato instalar um SPDA, pois uma vez que não é 100% eficiente, a instalação de um SPDA iria aumentar o seu risco.

O prédio vizinho ao meu é mais alto, estou protegido ?

Provavelmente não. O fato do vizinho ter para-raios não garante que você esteja protegido, uma vez que o para-raios foi dimensionado para proteger o prédio do vizinho e não o seu.

Porque o SPDA não é 100% eficiente ?

Porque nenhum equipamento de segurança é 100% eficiente e também por ser um fenômeno aleatório da natureza. A sua eficiência é medida em função do nível de proteção adotado de acordo com a norma.

Uma edificação pode ser atingida duas vezes ?

Sim. Existem diversos registros de edificações que foram atingidas mais de uma vez no mesmo local em datas diferentes.

Crendices populares

  • o raio não cai 2 vezes no mesmo lugar.
  • o para-raios da igreja protege toda a cidade.
  • árvores atraem raios.
  • espelhos atraem raios.
  • cercas atraiem raios.
  • o para-raios puxa (atrai) os raios para si.
  • o para-raios evita que o raio caia.
  • o para-raios protege equipamentos elétricos.
  • etc, etc, etc…

Quanto é a energia do raio ?

A energia de um raio é variável pois atinge milhões de volts, dezenas a centenas de milhares de amperes e hertz. O ar ao seu redor pode atingir 30.000 ºc, tudo isso em média acontece em torno de 50 microsegundos.

Nível: intermediário

Proteção

Qual a norma que regulamenta os SPDA’s ?

É a norma NBR 5419 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas); atualmente em sua versão 2015.

O seu uso é obrigatório ?

Sim. De acordo com o código de defesa do consumidor (lei federal), na seção iv-no artigo 39 inciso 8, todo o serviço ou fornecimento de material deverá atender às exigências das normas da ABNT. A norma NR10, norma regulamentadora do ministério do trabalho, exige que todas as edificações possuam SPDA.

É necessário uma lei municipal para que seja obrigatório ?

A lei municipal só vai confirmar o que já está explícito na lei federal (codigo de defesa do consumidor e na nr10 do ministério do trabalho). O que só pode ser saudável, mas não dispensável.

Com saber se uma edificação precisa de proteção ?

“Na norma NBR5419 existe a parte 2, onde são feitos os cálculos de necessidade de SPDA”, que é um cálculo estatístico para se determinar se uma edificação necessita ou não de ser protegida.

Como saber qual o método usar ?

Normalmente quem determina o método ou o tipo (isolado fisicamente ou não isolado fisicamente) a ser usado, é o projetista. Por exemplo: para edificações pequenas (guaritas, caixas d’água baixas, casas residências baixas e pequenas) pode ser usado o Método dos Ângulos ou Método Eletrogeométrico, pois são muito próximos. Para edificações altas ou extensas horizontalmente (prédios ou galpões) o mais indicado é o Método das Malhas, tanto pelos custos quanto pela estética e manutenção. É o projeto que tem que determinar qual a classe de proteção, método a ser usado, condutores, etc.

O que é SPDA isolado e não isolado ?

SPDA isolado – sistema isolado fisicamente (não eletricamente) da edificação a ser protegida, por exemplo: um poste ou torre ao lado de uma edificação, desde que esta esteja dentro do volume de proteção.

SPDA não isolado – sistema não isolado fisicamente, fixado em cima da própria edificação que se quer proteger (sistema mais comum).

Nível: avançado

Projetos e instalação

O que são níveis de proteção ?

As classes ou níveis de proteção são determinadas pelo projetista e indicam o tipo de utilização da edificação, o grau de risco e a partir deles é que se determinam os dados técnicos da instalação, tais como: mesh da gaiola, ângulos de captores, espaçamentos das descidas, etc.

Entre o Método dos Ângulos (Franklin) e o Método Eletrogeométrico, qual usar?

O Método Eletrogeométrico é uma evolução mais recente (década de 80), por isso, na maioria das vezes se recomenda o eletrogeométrico. Quanto ao volume de proteção, se analisarmos apenas um captor, a proteção oferecida pelos dois métodos é muito parecida. A diferença começa a aparecer quando se compara a proteção combinada (interação) com diversos captores, onde o Método Eletrogeométrico pode oferece, mais vantagens do ponto de vista econômico.

Quais são os meshs (fechamentos) da gaiola de Faraday?

O Método das Malhas teve seus meshs (reticulados) reduzidos para: classe 1 = 5x5m; classe 2 = 10x10m; classe 3 = 15x15m e classe 4 = 20x20m.

Os anéis de cintamento em prédios são obrigatórios ?

Sim. A norma exige anéis de cintamento horizontal com espaçamento idêntico ao das descidas. Estes anéis tem função de receber as descargas laterais e equalizar os potenciais das descidas. Na norma 2015 o espaçamento das descidas e dos anéis horizontais passaram a ser: classe 1 = 10m; classe 2 = 10m; classe 3 = 15m e classe 4 = 20x20m.

As descidas podem ser instaladas apenas numa das fachadas?

Não. As descidas devem ser instaladas preferencialmente nas quinas principais da edificação e ao longo das fachadas, de acordo com o nível de proteção.

Os cabos podem ser esticados apenas nas extremidades ?

Não. A norma exige que os cabos sejam fixados a cada metro.

Preciso usar os suportes-guias “isoladores” com 20 cm de afastamento ?

Não. A norma não exige afastamento dos condutores em relação à estrutura, podendo inclusive ser instalados dentro do reboco da edificação. Na verdade os chamados “isoladores” não conseguem isolar eletricamente uma energia tão grande.

Preciso usar os minicaptores (terminais aéreos) na gaiola?

Não. A norma não exige a instalação dos minicaptores (terminais aéreos), uma vez que a eficiência da gaiola não depende deles, no entanto, a sua instalação é recomendada para preservar os cabos de danos térmicos no caso de descargas diretas sobre eles. Fica a critério do projetista o uso. Caso sejam instalados, a recomendação é usar nas quinas, cruzamentos de cabos e a cada 5m de perímetro.

A norma faz alguma exigência com relação à qualidade dos materiais a serem usados no SPDA?

Sim. A norma exige que todos os materiais de origem ferrosa sejam galvanizados a fogo. (É proibida a galvanização eletrolítica a frio). Com relação às hastes de aterramento, a norma exige hastes de alta camada (254 µm de cobre). Para as instalações especiais (chaminés) a norma exige que só sejam usados materiais nobres (cobre, latão, bronze, aço inox, etc). No site da Termotécnica você encontra materiais para atender todas as exigências da norma.

Preciso interligar os aterramentos ?

Sim. A norma exige que todas as malhas de aterramento e todas as massas metálicas (prumadas verticais metálicas / tubulações, etc), devem ser interligadas a uma caixa com um barramento (BEP) no nível do subsolo, e também os andares onde são instalados os anéis de cintamento horizontal.

Que tipo de conexão posso fazer no aterramento?

Pode-se fazer com conector de aperto mecânico ou solda exotérmica, porém no caso do conector é obrigatório o uso de uma caixa de inspeção para dar futuras manutenções.

A norma exige algum valor de resistência de aterramento?

A norma não exige mais nenhum valor de resistência de aterramento.

Atenciosamente,
Eng.º Normando Alves
Diretor técnico
Integrante da Comissão Revisora da Norma NBR 5419/2015 da ABNT