O que preciso saber sobre o aterramento estrutural no SPDA?

Cabe ao aterramento do SPDA uma das funções mais importantes da proteção aos ocupantes: dissipar a energia do raio no solo de forma segura. Dimensioná-lo pode ser bastante complexo e custoso, felizmente existe na norma uma alternativa mais simples e rentável para futuras edificações. Nesse episódio, apresentamos informações úteis para engenheiros e projetistas compreenderem os prós e contras do aterramento estrutural, além de terem conhecimento fundamentado na NBR5419/2015 para sempre executá-lo com maestria.

Quais as diferenças entre BEP e BEL?

Com exceção dos elementos energizados, como condutores elétricos e tubulações com proteção catódica, todas as outras partes metálicas da instalação devem ser ligadas, diretamente, aos barramentos de equipotencialização. Parece simples, mas na prática, o projetista precisa compreender as diferenças entre os dois tipos de barramentos citados na NBR5419 e aplicar no seu projeto. Tendo este conhecimento básico, é possível identificar, por exemplo, quais elementos podem ser ligados no BEP e quais deverão ficar no BEL. Nesse episódio, falamos mais sobre estes importantes componentes do SPDA interno e suas funções distintas no sistema!

Como funciona a coordenação entre DPS?

A coordenação entre os DPS é o que garante que os dispositivos atuem de acordo com a sua capacidade de drenar surtos. Por exemplo, no momento em que uma sobretensão ocorre no sistema, é necessário que o DPS Tipo I entre em ação antes do DPS Tipo II, a fim de descarregar a corrente elétrica, diminuindo a sua força a níveis toleráveis para o segundo protetor. Entretanto, é comum que nem todos os dispositivos venham com essa função de fábrica e a utilização de protetores de marcas diferentes em um mesmo projeto, pode significar novos empecilhos neste alinhamento. Nesse episódio, explicamos de forma técnica o funcionamento da coordenação entre DPS, com dicas úteis e inteligentes para garanti-la em projetos de PDA.

Como inspecionar as MPS?

Para garantir a operação de um sistema elétrico é importante que as medidas de proteção contra surtos aplicadas na estrutura estejam em pleno funcionamento. Sendo assim, além de um projeto bem feito, são necessárias inspeções periódicas para verificar se algum componente precisa ser substituído ao longo dos anos. No geral, os responsáveis por este serviço devem ter know-how para avaliar a integridade das ligações equipotenciais e blindagens no sistema, a vida útil dos DPS instalados e a qualidade do roteamento de cabos da edificação. Em cada um desses casos, são necessários diferentes procedimentos de verificação e é por isto que, neste episódio, apresentamos um checklist para auxiliar na correta inspeção das MPS!

O que é monitoramento remoto de um DPS?

Realizar as inspeções dos dispositivos de proteção de uma planta é sempre um desafio a parte, especialmente quando essa possui centenas de protetores. Some isso a um setor de manutenção extremamente sobrecarregado e o resultado certamente será um grande número de equipamentos e circuitos desprotegidos. Felizmente, existe o monitoramento remoto para DPS. Com esta função no equipamento, podemos conectá-lo a um sistema dedicado que faz a leitura e análise dos dados de vida útil de todos os dispositivos em tempo real. Nesse episódio, falaremos mais sobre esta tecnologia, que surgiu para melhorar os processos de manutenção e a confiabilidade na proteção, especialmente em grandes plantas industriais!