A importância das MPS na PDA

Você sabia que mesmo com o SPDA, os equipamentos eletroeletrônicos podem ser danificados caso um raio caia próximo ou na própria edificação? Ao contrário do que muitos pensam, a função do SPDA é unicamente proteger pessoas e estruturas contra os efeitos dos raios, deixando a preservação dos equipamentos a cargo das medidas de proteção contra surtos. Nesse episódio, explicamos os motivos que tornam estas medidas tão importantes para completar o sistema e prover ainda mais proteção, mesmo em projetos de pequeno porte, como edificações residenciais ou pequenas plantas industriais!

Não existe solução milagrosa, evite os captores ESE!

Existem no mercado empresas que comercializam soluções milagrosas, que seriam capazes de antecipar ou até mesmo evitar a queda do raio, chamados Early Streamer Emission ou, de forma mais simplificada, ESE. De acordo com os fabricantes, seus captores possuem a capacidade de ionizar a atmosfera e projetar líderes ascendentes, atraindo os raios para si. Apenas esta afirmação já bastaria para considerarmos estes sistemas falaciosos, visto que existem diversas características da física, relacionadas à formação das descargas atmosféricas, ignoradas nesta proposta. Entretanto, como já era de se esperar, esses sistemas têm ainda muitos outros pontos de atrito com a norma técnica e suas recomendações. Nesse episódio, discorremos sobre estas soluções milagrosas, a fim de entender melhor porque não devemos utilizá-las em projetos de proteção contra raios.

10 ohms no aterramento do SPDA, é ou não obrigatório?

No SPDA, os riscos de uma malha de aterramento mal projetada incluem, além da queima de equipamentos, danos irreparáveis à estrutura e aos ocupantes da instalação. É por isso que ao longo dos anos, com as revisões da norma, os parâmetros para a realização deste subsistema são cada vez mais polidos para estar em total alinhamento com a realidade dos projetos. A grande questão é que estas mudanças, comumente, contribuem para que dúvidas e possíveis confusões ocorram entre instaladores e projetistas. Por exemplo, com certeza você já escutou, de algum outro profissional, que para realizar o aterramento do SPDA é necessário que a resistência da malha não seja superior a 10 ohms. Entretanto, será que essa informação é válida de acordo com as orientações da norma? Nesse episódio, discorremos exatamente sobre a resistência de aterramento, as mudanças que a afetaram em cada revisão e como ela deve ser analisada nos projetos de SPDA, de acordo com a NBR5419/2015!

Entenda de vez os níveis de proteção do SPDA

Você deve saber que o espaçamento na malha de captação, assim como em outros itens do SPDA, depende do nível de proteção, certo? Mas você conseguiria justificar o motivo de ser necessária esta adequação da malha? A NBR 5419 estabelece uma série de parâmetros relativos às descargas atmosféricas, condensados dentro dos níveis de proteção. Esses níveis variam de 1 a 4, sendo o nível 1, o mais rigoroso. Nesse episódio, explicamos tecnicamente o grande diferencial entre cada um deles. Assim, fica ainda mais claro o motivo pelo qual nunca devemos subdimensionar o SPDA, ou seja, considerar um nível menor do que o especificado!

Boas práticas em projetos de SPDA em edificações existentes

Quando lidamos com edificações existentes, há certas limitações que se tornam empecilhos para a elaboração de um projeto de SPDA eficiente e em conformidade com a norma. Características construtivas da edificação, restrições de espaço para lançamento dos condutores de aterramento, baixo orçamento disponível, indisposição em comprometer acabamentos, são exemplos claros dos desafios encontrados em projetos para edificações já construídas. Entretanto, é papel do projetista com sua experiência, saber discernir o que é uma dificuldade e o que é realmente uma impossibilidade técnica, até mesmo para aconselhar o cliente e encontrar soluções otimizadas. Nesse episódio, apresentamos medidas que poderão auxiliar nos possíveis obstáculos encontrados e boas práticas gerais para garantir a excelência do SPDA e das MPS, em edificações já construídas!