Dicas essenciais para SPDA em postos de combustíveis

Recentemente, o Ministério do Trabalho notificou em torno de 6.000 postos de combustíveis, na região sudeste do Brasil, para adequação das instalações à NR10. Isso inclui mapa de risco, instalações elétricas e telecom, sistema de proteção contra descargas atmosféricas e aterramento de equipamentos, etc.

Essa medida foi adotada, pois alguns acidentes ocorreram, levando a conclusão de que as normas técnicas e as NRs não estavam sendo seguidas. Isto acontece porque alguns postos são muito antigos, ou porque as empresas que prestam esses serviços acham que são especialistas em todas disciplinas ou mesmo por desinformação. O que se nota na prática é que a maioria das empresas estão desatualizadas em relação a norma.

Tal como preconizado na NBR5419/2015, a PDA – Proteção contra Descargas Atmosféricas se divide em SPDA – Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (captação, descidas, aterramento e equipotencializações) e MPS – Medidas de Proteção contra Surtos (proteção das instalações e serviços internos e equipamentos). A PDA deve, ao mesmo tempo, interagir com outros assuntos, tais como:

*Análise das fundações existentes;
*Áreas classificadas;
*Instalações elétricas;
*Hidráulica e esgoto;
*Sistemas de combate a incêndio;
*Proteção dos suspiros dos tanques subterrâneos;
*Telecom;
*Eletrônica de monitoramento dos níveis de combustíveis;
*Monitoramento de vazamentos, de pressão e muitos outros.

Por este motivo, a proteção de postos de combustíveis é um assunto multidisciplinar e depende de uma análise muito criteriosa e interação com outras engenharias. Por exemplo, se for necessário quebrar o piso da área da plataforma de abastecimento e a fundação for do tipo Radier, será necessário um laudo de um engenheiro civil especializado. Isto porque ele responderá se é possível rasgar o piso para executar o eletrodo de aterramento e fornecerá orientações de como deve ser feita a recomposição dessa fundação. Vale ressaltar, que no caso de fundação em Radier, o rompimento deste piso pode comprometer estruturalmente a área, pois é ele que mantém as plataformas de abastecimento em pé.

É fato que toda solução traz consigo, novos problemas. Proteger um posto de combustível é aparentemente fácil, mas não se engane, de fácil não tem nada. Quando se trata de um posto que ainda será implantado, todos os projetos estão disponíveis e as informações são mais fáceis de serem obtidas com os fornecedores dos equipamentos.

Entretanto, para os postos já em funcionamento a escala de dificuldade é aumentada, uma vez que raramente existem projetos das instalações, e quando eles existem, os responsáveis não sabem onde estão. Com muita sorte, talvez seja encontrada uma planta arquitetônica, que pouco ou quase nada, ajudará nas necessidades.

Além disto, de acordo com a NBR5419, estruturas com líquidos inflamáveis devem ser protegidas com pelo menos nível II de proteção. Isso quer dizer que para dimensionar o eletrodo de aterramento em uma edificação já existente, é necessário fazer uma prospecção da resistividade do solo e estratificá-lo em camadas. Assim, será possível determinar qual será o comprimento mínimo (L1) e a configuração do eletrodo, de acordo com a figura 3 da norma.

Figura 3 – Comprimento mínimo l1 do eletrodo de aterramento de acordo com a classe do SPDA

Depois deste processo, é necessário calcular o raio equivalente (Re) de um círculo que tenha a mesma área do eletrodo de aterramento que circunda a edificação e validar o comprimento L1 da figura 3. Apenas se atender a esta condição, o comprimento é satisfatório, caso contrário, será necessário aumentar o eletrodo horizontal e/ou vertical até atender aos requisitos mínimos.

DICA: Para edificações que ainda serão construídas é recomendável analisar se existe fundação com vigas baldrames, para fazer conexões mecânicas, eletricamente contínuas, das ferragens. Estas, podem funcionar como eletrodo natural de aterramento, se certificadas com os testes de continuidade elétrica, conforme prescrito na parte 3 da NBR5419.

Outro fato que amplia a necessidade de cuidados redobrados é a área em torno das plataformas de abastecimento, que é considerada classificada. Sem contar que é preciso prestar atenção às canaletas metálicas que circundam o empreendimento, pois a função delas é recolher eventuais vazamentos durante o abastecimento e por isso, também são identificadas como áreas classificadas.

Vencidos estes passos, é preciso verificar onde os suspiros dos tanques estão localizados, estes deverão ser protegidos contra descargas diretas pelo método eletrogeométrico. É necessário manter a proteção (Zona 0A) afastada da área classificada em torno dos suspiros em pelo menos 1 metro e, ao mesmo tempo, colocar todos eles dentro do volume de proteção (Zona 0B).

DICA: Cada um desses combustíveis tem distâncias diferentes (áreas classificadas) em função do produto, podendo variar entre 1 a 2 metros, aproximadamente, podendo ser adotada a pior situação.

Quando os suspiros são poucos e estão juntos, o dimensionamento dessa proteção, normalmente é tranquila e fácil de ser projetada com apenas um captor vertical. Porém quando são altos e estão afastados e em grande quantidade, é necessário dimensionar diversos captores verticais e a interação entre eles, para garantir que todos os suspiros estejam dentro da Zona 0B.

Outro fator a ser considerado são as edificações próximas dos postos, tais como:

*escritórios,
*lojas de conveniência,
*troca de óleo,
*lava jato,
*borracheiro,
*sala de compressores,
*banheiros e etc.

Visto que, por lei, o CNPJ do posto só pode comercializar combustíveis e lubrificantes. Desta maneira a ocupação das demais edificações são sublocadas para outras empresas para exploração da área alimentar e outros serviços. Assim, é normal que os donos dos postos queiram proteger apenas a plataforma de abastecimento, para gastar menos recursos.

Todavia, o Ministério do Trabalho tem entendido que todas as edificações que estão dentro do lote devem ser protegidas, mesmo possuindo CNPJ diferentes. Isto faz sentido, porque dependendo da proximidade, essas edificações ficam expostas aos problemas que possam acontecer nas plataformas de abastecimento.

DICA: Para aqueles que desejam realizar este estudo com mais precisão, a norma de distância de segurança de incêndio do Corpo de Bombeiros, ensina a calcular o espaço mínimo entre edificações e quais medidas de segurança deverão ser adotadas para evitar a propagação do fogo.

No que concerne ao SPDA da plataforma de abastecimento, sempre que possível, devem ser usados os poucos pilares metálicos existentes como descidas naturais. Todas as instalações metálicas nas proximidades das bombas, inclusive elas, devem ser equipotencializadas diretamente no eletrodo de aterramento ou no BEP ou BEL mais próximo.

Com relação ao telhado das plataformas, a saída é fazer um sistema de captação com condutores horizontais, verticais ou a combinação dos dois tipos. Via de regra, a espessura das telhas não atende ao mínimo permitido para ser usada como elemento natural de captação. Isto se deve ao fato de que abaixo do telhado existe uma área classificada, e a elevação da temperatura diretamente na telha, iria gerar um ponto quente que poderia ter como consequência, um desastre catastrófico.

DICA: Não é recomendado utilizar o telhado como elemento natural de captação.

Outro ponto importante na proteção é evitar que surtos entrem ou saiam das edificações protegidas, garantindo que não atinjam os equipamentos eletroeletrônicos e provoquem incêndio ou choques elétricos. Normalmente, estes equipamentos estão fora das plataformas, no escritório da edificação, onde é feito todo o gerenciamento do posto e onde os sensores são ligados a aplicativos que gerenciam e controlam todo o negócio.

Um simples par metálico de sinal entre um tanque e o computador pode gerar uma corrente impulsiva no fio, devido a queda de um raio nas proximidades. Desta forma, pode levar o surto de tensão para dentro do tanque e/ou do computador e provocar uma explosão ou dano no equipamento. Isto acarretaria perda das informações estratégicas do negócio e prejuízos grandes.

Para evitar que isso aconteça é necessário usar a parte 4 da NBR 5419, em que são apresentadas diversas alternativas ou a combinação delas, para salvaguardar estas informações. Essas medidas podem consistir:

*Instalação de DPS coordenados na rede de energia;
*Instalação de DPS nos condutores metálicos de telecom;
*Instalação de DPS nos condutores metálicos que fazem o monitoramento e controle dos tanques;
*Instalação de DPS no sistema de CFTV;
*Uso de condutores blindados ou infraestrutura metálica e contínua para oferecer blindagem contra surtos eletromagnéticos;
*Uso de malhas de referência ou blindagens espaciais;
*Equipotencializações (BEP + BEL e etc);
*Roteamento dos condutores de energia e sinal;
*Evitar a formação de laços, sempre que possível.

NOTA: As medidas acima mencionadas podem ser usadas isoladamente ou combinadas entre si, dependendo da necessidade de cada caso.

Toda a filosofia da proteção contra descargas atmosféricas deverá ter como norte o gerenciamento de risco, parte 2 da NBR 5419/2015, que definirá as regras do jogo, ou seja, que determinará o quê e como deve ser feito.

É importante analisar se as instalações elétricas e outras estão dentro das normas vigentes. Uma vez que se não atenderem à NBR 5410 e NR-10, a segurança pessoal pode ficar comprometida. Tal como a eficiência dos DPS responsáveis pela proteção dos equipamentos e informações, que podem não funcionar adequadamente caso a infraestrutura não for aceitável.

Siga as orientações da norma NBR 5419 com relação a possíveis riscos de centelhamentos, tensão de passo e de toque. A norma dá diversas opções e alternativas, como o uso de condutores isolados, conforme prescrito no item 8.

8.12

Alertamos neste artigo sobre todas as complexas questões que envolvem a proteção contra descargas atmosféricas em postos de combustíveis. Por todos os argumentos que foram apresentados, é altamente recomendado implementar as medidas conforme estabelece as normas vigentes, a fim de evitar acidentes e multas que podem ser aplicadas pelas inconformidades.

A Termotécnica Para-raios é especializada na adequação e projeção de sistemas de proteção contra descargas atmosféricas e tem em sua essência, a conformidade com a ABNT NBR 5419/2015. Em projetos para postos de combustíveis, não exite em contatar!

Eng. Normando V.B. Alves
Diretor de Engenharia da Termotécnica Para-raios

5 Comentarios em “Dicas essenciais para SPDA em postos de combustíveis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.